Destilado tradicional do Brasil, a cachaça conquistou o seu espaço de destaque na gastronomia, história e cultura do país. Mas, você sabe quando a branquinha surgiu?

No post de hoje a gente vai te falar um pouco mais sobre o surgimento da cachaça e a sua importância.

Trouxemos também uma série de indicações de leituras, livros e cursos para você descobrir tudo sobre o universo da nossa bebida.

Vamos lá!

Cachaça, um marco cultural do Brasil 

A cachaça é um destilado genuinamente brasileiro, que se tornou um representante cultural do país. O seu sabor único e especial tomou seu lugar de destaque conquistando tanto o paladar popular quanto aqueles mais exigentes, dessa forma consolidou-se internacionalmente como a bebida quente de cana-de-açúcar criada pelos brasileiros. A bebida fez jus ao seu posto cultural: tornou-se presente nos bares e foi representada de diversas formas por artistas brasileiros. 

Adoniran Barbosa, um dos maiores sambistas da história do Brasil, reforçou a brasilidade do destilado em suas canções com a música “Patrão, mulher e cachaça”. Já Lenir Costa transformou a caninha em protagonista do documentário “Devotos da Cachaça”, onde a bebida a relação da cultura brasileira com a cachaça é relatada, a obra mostra a história, produção e o amor deferido a aguardente. Na literatura, os autores João Almeida e Leandro Dias dedicam um livro inteiro à cachaça: Os segredos da Cachaça: tudo que você precisa saber sobre a bebida mais popular do Brasil.

A cachaça é reconhecida como patrimônio histórico cultural em três estados brasileiros: Rio de Janeiro, Minas Gerais e Pernambuco. Isso implica no entendimento do destilado como parte de um legado histórico para essas regiões, identifica-se assim uma série de contribuições do produto: sociais, culturais e econômicas. Mas então, quando teria surgido esse produto tão aclamado pelo brasileiro?

O surgimento da Cachaça

A data exata do surgimento da Cachaça ainda não foi determinada. Entretanto, é quase um consenso entre os historiadores que foi no século XVI que a bebida começou o seu trajeto. Durante a produção de rapadura – utilizada como um adoçante na época -, era costumeiro que durante o processo de fervura do caldo a sua fermentação. O caldo gerado nesse processo, denominado cagaço, não servia para adoçar bebidas, por isso, era jogado fora. Os escravos foram os precursores em criar e experimentar a cachaça, após perceberem que o seu consumo aumentava o entusiasmo durante o trabalho, o costume de tomá-la logo se popularizou entre eles. Tal descoberta retrata a criação da bebida que simboliza o espírito brasileiro.

Não demorou muito até que a cachaça conquistasse o gosto popular, mas a sua disseminação passou por uma série de entraves, principalmente com a Coroa Portuguesa. Isso se deu pelo fato de que o produto ameaçava diretamente a comercialização da Bagaceira, uma bebida produzida a partir da fermentação do bagaço da uva. A substituição da bagaceira pela cachaça demonstrava o interior se sobrepondo à metrópole, o que implicava em uma redução nos lucros da Coroa. O seu consumo também foi um dos marcos da Inconfidência Mineira e da Revolução Pernambucana: ingeri-la era tido como um ato de patriotismo ao negar o vinho português, levando a outro processo de perseguição contra o produto. A cachaça foi um símbolo de nacionalismo e democracia durante os movimentos separatistas no Brasil: o seu consumo era um ato patriota. 

A expansão do seu consumo foi inevitável, mesmo com todos os impasses a cachaça se instalou como a bebida tradicional do Brasil. Com o passar do tempo uma série de mudanças na sua produção ocorreram, dando origem a cachaça artesanal e a cachaça industrial. O produto atraiu o olhar dos produtores pela sua crescente importância econômica: a produção anual de cachaça já ultrapassa 1,4 bilhões de litros e gera – direta e indiretamente – cerca de 600 mil empregos. Desse modo, o constante aperfeiçoamento na produção se fez algo de suma importância, levando empresas como a Cana Brasil a auxiliar milhares de alunos. Com o curso “Mestre Alambiqueiro”, a Cana Brasil formou diversos produtores os quais têm a oportunidade de estudar na primeira e mais tradicional Fazenda Escola do Brasil. O grupo com mais de 120 anos de tradição na produção de cana-de-açúcar, cachaça e rapadura é dirigido por Arnaldo Ribeiro e José Ribeiro, especialistas na produção de cachaça. 

Contudo, uma bebida tão especial não poderia ficar apenas no Brasil, não é mesmo? E foi pensando nisso que o Cachaça Hub iniciou o seu processo de levar a cachaça artesanal para fora do país. Com o objetivo de mostrar a cachaça ao mundo, o Cachaça Hub promove, faz o marketing, distribui e vende a cachaça. A sua participação no Festival das Migrações de Luxemburgo que aconteceu em março em Luxemburgo, foi um grande sucesso, diversas marcas clientes do Cachaça Gestor foram apresentadas e comercializadas com o público europeu. 

A cachaça vem ganhando diversos prêmios pelo mundo, sendo assim, a certificação é crucial para a constante valorização do produto. Por isso para fazer parte desse projeto tão importante para a cultura brasileira, é necessário que a produção seja rastreada pelo Cachaça Gestor, um sistema criado por apaixonados por cachaça que desejam facilitar a vida do produtor, possibilitando o gerenciamento do alambique de forma online e eficaz, buscando sempre valorizar a imagem da cachaça, exaltando sua nobreza. Quer saber mais sobre o nosso sistema? Clique aqui ou entre em contato pelo número (031) 99665-6182 e saiba mais sobre essa ferramenta que vai alavancar suas vendas.

E aí, você também é um apaixonado por cachaça que pensa em produzir mas não sabe por onde começar? Ou já é um produtor e quer entender mais sobre gestão? Preparamos um curso especial para você! Está na hora de tirar a ideia do papel e começar para valer, inscreva-se e tenha todos os detalhes da produção desse destilado na palma das mãos.

Gostou desse conteúdo e quer receber em primeira mão todas as novidades relacionadas à cachaça? Siga-nos nas nossas redes sociais!



Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

você pode usar essas tags e atributos HTML:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>