O mercado da cachaça está em expansão. Atualmente, existem muitos alambiques que fabricam aguardente de modo clandestino. Ao mesmo tempo, a alta gastronomia está percebendo o valor desta bebida, tanto por ser o terceiro destilado mais consumido do mundo, quanto devido a sua diversidade de aromas, sabores e possibilidades de harmonização. A valorização da caninha, ou melhor, a gourmetização dela, faz com que ela seja consumida por pessoas com alto poder aquisitivo, gente que está disposta a gastar dinheiro por um produto de qualidade.


Porém, sabemos que devido à grande oferta, apenas fazer um produto de qualidade não basta, é necessário transmitir segurança para o consumidor. Se existe uma relação de confiança, a probabilidade de venda é maior, pois falar que é bom, todo mundo fala, mas comprovar é outra história.


Como posso comprovar a qualidade da cachaça?

Nesta hora é que a certificação se torna fundamental. Ela assegura para o cliente que a bebida não irá prejudicar sua saúde e garante o sabor e a qualidade do produto.

O selo de certificação é concedido pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), responsável pelo Regulamento de Avaliação de Conformidade da Cachaça (RACC). Como foi detalhado neste post, o primeiro passo para certificar o seu alambique é seguir as normas relacionadas à matéria-prima, ao processo de fabricação e à responsabilidade social da empresa. 

Existem outros selos além da certificação do INMETRO que podem estar relacionados ao modo de produção da bebida, como é o caso do Selo da ANPAQ, e referentes a concursos de destilados, como é o Selo de Bruxelas. Todos comprovam qualidade e segurança para o consumidor.

Além disso, o  Cachaça Gestor também te auxilia a seguir as regras estabelecidas no processo de certificação. O nosso sistema possibilita organizar dados referentes à produção e gerenciá-los. Além das informações que assessoram no processo de produção da cachaça, como é o caso do manual das boas práticas e relatórios presentes no software, tudo para te ajudar a gerenciar o seu negócio.

Eu posso vender cachaça sem estar regularizado?

No Brasil isso ainda é muito comum, mas a fiscalização está cada vez mais em cima dos alambiques não regularizados. Além do mais, vender sem certificação limita os seus negócios, pois o seu mercado será limitado, restrito a pequenos bares e nunca em grande escala. Portanto, regularizar é o modo mais seguro e eficiente para quem quer expandir suas vendas.


O mundo aguarda pela cachaça

Assim como a tequila se tornou orgulho para os mexicanos, a certificação da cachaça tem como um dos objetivos torná-la símbolo nacional, motivo de orgulho para o nosso país. A ideia é que esta bebida seja reconhecida nacionalmente e internacionalmente como expressão da cultura brasileira. Deste modo, duplica-se as oportunidades, a certificação facilita a comercialização da “branquinha” tanto no Brasil e quanto no exterior.

No mercado internacional, a cada dia se preza mais pela sustentabilidade. A certificação atesta que o produto é socialmente responsável e preocupado com as questões ambientais. Além do mais, o selo também diz sobre as particularidades do seu produto, deste modo, você tem a chance de mostrar o diferencial da sua cachaça e se destacar na prateleira.

Resumindo, o selo da certificação transmite segurança para o consumidor, atesta a qualidade e pode abrir oportunidades de vendas, como é no caso do mercado internacional. Produtor, tá esperando o quê para regularizar o seu alambique? 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

você pode usar essas tags e atributos HTML:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>